No momento você está vendo Pretérito Mais-que-perfeito do Indicativo

Pretérito Mais-que-perfeito do Indicativo

O pretérito mais-que-perfeito do indicativo é uma forma verbal que indica uma ação passada anterior a outra ação já concluída no passado. Em outras palavras, é o tempo verbal que expressa uma ação que ocorreu antes de outra ação no passado.

A conjugação do pretérito mais-que-perfeito é formada pelo verbo “haver” no imperfeito do indicativo mais o particípio passado do verbo que se quer conjugar. Por exemplo, na primeira pessoa do singular, a conjugação do verbo “comer” fica “eu havia comido”.

A utilização do pretérito mais-que-perfeito é muito comum na linguagem escrita e falada, especialmente quando queremos contar histórias ou narrar acontecimentos passados com ordem cronológica. Veja um exemplo: “Eu já havia comido quando o telefone tocou”. Neste exemplo, o pretérito mais-que-perfeito é usado para indicar que a ação de comer ocorreu antes da ação de atender ao telefone.

A conjugação do pretérito mais-que-perfeito é a seguinte:

  • Eu havia + particípio passado do verbo
  • Tu havias + particípio passado do verbo
  • Ele/ela havia + particípio passado do verbo
  • Nós havíamos + particípio passado do verbo
  • Vós havíeis + particípio passado do verbo
  • Eles/elas haviam + particípio passado do verbo

Algumas vezes, o pretérito mais-que-perfeito pode ser substituído pelo pretérito perfeito composto, mas deve-se levar em consideração o contexto e a intenção do autor ao escrever ou falar.

Em resumo, o pretérito mais-que-perfeito é um tempo verbal utilizado para indicar ações passadas anteriores a outras já concluídas no passado. É importante conhecer a sua conjugação e saber utilizá-lo adequadamente para comunicar-se corretamente em língua portuguesa.

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.